Slow Content

Depois do post sobre Slow Living, me pareceu lógico escrever sobre o Slow Content e, para isso, precisei amadurecer mais a ideia que tenho desse movimento (e dedicar um tempo maior para escrever sobre).

Em tradução literal, “slow content” é um conteúdo mais lento, que traz algo mais profundo e trabalhado. Para o marketing, é uma tendência que deve crescer nos próximos meses e anos por conta da saturação que estamos vivendo atualmente. Quando pesquisamos sobre o tema, encontramos dois movimentos dentro dele: de um lado, uma produção mais lenta, orgânica, e do outro, um consumo mais lento. Esses movimentos não competem entre si, pelo contrário, se complementam.

Uma produção mais lenta

Num dos primeiros textos que encontrei sobre o assunto, a Rock Content afirma que: “O conceito não propõe necessariamente a redução do ritmo de produção e postagens, mas a priorização da qualidade, da profundidade e da identidade nas criações.” Me parece meio contraditório, afinal, como vou conseguir produzir conteúdos profundos e de qualidade sem reduzir meu ritmo de produção? Parece estranho, não é?!

Existe uma ideia geral de que precisamos postar com frequência nas redes sociais, cerca de 3 vezes por dia. Todos os dias. É realmente insano tentar planejar um conteúdo mais lento produzindo nesse ritmo, em algum lugar a conta não vai fechar. Temos que sempre levar em consideração 3 pontos importantes aqui: qualidade, velocidade e quantidade:

Se produzo com quantidade e velocidade, vai me faltar qualidade;
Se produzo com velocidade e qualidade, vai me faltar quantidade;
Se produzo com qualidade e quantidade, vai me faltar velocidade.

Encontrar o equilíbrio entre esses três pontos é uma tarefa cansativa, mas tentar acertar sempre nos três é impossível. Então por que estamos sempre tentando fazer isso? Simples: Estamos acostumados.

Com a popularização dessa ideia errada de que precisamos estar toda hora nas redes sociais, fomos nos acostumando a produzir mais e mais, o que só gera uma espécie de competição entre todos, afinal, numa rede social em que bilhões estão produzindo ao mesmo tempo que eu, como me destacar? Muitas vezes nos espelhamos em outros e é aí que começamos a seguir “fórmulas mágicas” e produzir um conteúdo cada vez mais pasteurizado.

Um consumo mais lento

Com toda essa informação sendo despejada o tempo todo, passamos a acompanhar o surgimento de tendências instantâneas e se tornou cada vez mais fácil se deixar levar por elas e produzir esse conteúdo vazio e superficial, não dá tempo de parar e pensar num conteúdo profundo, a hora de publicar já passou. E também, né, como vou segurar a atenção das pessoas se elas decidem o que consumir nos primeiros 3 segundos de contato com o conteúdo? É sério isso:

Os primeiros 3 segundos dos vídeos do seu canal são cruciais. Se você não captar a atenção dos usuários nesse período, é menos provável que seu vídeo seja compartilhado com mais pessoas.” (Informação retirada daqui mas acessível em vários outros lugares na internet.)

Será que é isso mesmo? Só temos 3 segundos para captar a atenção do outro? Bem, se levarmos em consideração o formato do Tinder, em que você escolhe um parceiro apenas olhando uma selfie e arrastando o dedo para a esquerda ou direita, e os próprios streamings de música, em que muitas das vezes as músicas precisam começar pelo seu ponto alto para segurar a atenção do ouvinte, podemos dizer que estamos sendo moldados há tempos por essas plataformas. A ideia de colocar um frame do vídeo com uma capa que já diz logo o que você vai ver em seguida, mostra que às vezes 3 segundos é tempo demais.

O consumo de conteúdo é rápido, voa. Com tanta informação disponível e com as redes sendo abastecidas por toneladas de dados o tempo inteiro, como dar conta de tudo? Agora já é possível acelerar o consumo de vídeos e áudios em 1,5x, 2x, resultando numa hilária voz de esquilo.

Mas isso é legal? Isso é saudável?

Se eu passo o dia todo consumindo conteúdo, seja por trabalho ou lazer, ao fim do dia estou exausta e sinto que não consegui reter tudo aquilo. Mesmo se eu escrever, mesmo se tirar prints, vai ser impossível para o meu cérebro manter tanta informação. Isso cansa. Eu preciso parar, descansar e reavaliar se aquilo ali tá sendo útil.

O equilíbrio

Eu cansei de produzir e consumir tudo correndo. Já faz tempo que venho diminuindo minhas produções para as redes sociais porque, pelo menos na minha cabeça, eu produzo para pessoas, não para algoritmos, e tenho limitado meu tempo de uso das redes sociais. Quando passamos muito tempo nelas, acabamos expostos a todo tipo de conteúdo, benéfico ou não.

Mas isso leva tempo e é preciso ter paciência… Estou nessa jornada de mudar meus hábitos há meses e sinto que o caminho é mais importante que a chegada, pois é nele que vou me fazendo perguntas e achando respostas dentro de mim que eu nem imaginava existir.

O mais interessante nisso é que passei a apreciar coisas mais simples e coisas que só acontecem offline. Nem tudo precisa estar na rede. A vida tá lá fora, é só tirar os olhos da tela para ver.

Um comentário em “Slow Content

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: