Livros de Fevereiro/22.

Uma das minhas promessas para esse ano de 2022 é ler mais. A cada início de mês pretendo fazer uma lista dos livros que li no mês anterior e talvez, quem sabe, uma lista dos livros que pretendo ler no novo mês. Será que consigo? Só seguir o blog pra descobrir! 😅

Em Fevereiro, já com o ritmo de trabalho normal, consegui ler 5 livros. Eu planejava passar o Carnaval com o nariz enfiado nos livros, mas acabei maratonando filmes do Studio Ghibli (e não me arrependo nem um pouco).

A playlist que mais ouvi foi Supernatural Lofi, um mix de músicas lo-fi que vão muito bem com as leituras.

Luto Sem Medo

Luto sem Medo, de Max Porter, foi publicado aqui no Brasil em 2021.

O luto não costuma ser fácil e, em meio à pandemia global que vivemos, temos diversos lutos a diários. A morte de uma pessoa querida é um deles, e é desse tipo de luto que o livro fala.

Como uma espécie de fábula moderna sobre perda, luto, família e medo, Max Porter nos conduz por um conto vivido por um pai, dois filhos e um corvo que se instala na casa da família após a morte da mãe/esposa. Logo na 2ª página já sabemos o que está acontecendo:

“Amigos, família, os que andaram por aqui sendo bondosos já tinham retornado às suas vidas. Quando as crianças iam dormir o apartamento não tinha sentido, nada se movia.

É aí que o Corvo aparece.

Como uma pessoa que já viveu o luto de um ente querido, sei que ele é uma parte coletivo e outra parte individual: Num 1º momento somos abraçados por todos que, assim como nós, estão de luto; mas num 2º momento é que caímos na real… Mas não adianta ter medo dele, o “melhor” a se fazer é abraçá-lo e vivê-lo, afinal, se estamos de luto é porque o amor ainda está vivo em nós.

Elementais

Elementais, de Michael McDowell, foi publicado aqui no Brasil em 2021.

Imaginem um lugar quente, muito quente. Agora imaginem que, não muito longe dali, existe um pequeno paraíso em uma ilha composta por apenas 3 casas idênticas. Dessas 3 casas, apenas 2 são ocupadas por alguns meses — ano após ano. A 3ª? Bem, não falamos muito da 3ª casa… A areia da praia lentamente a está engolindo porque está abandonada há tanto tempo que ninguém nem lembra de um dia ela ter sido habitada. Esse é o plot central do livro escrito por McDowell, mas a verdade é que a história vai muito além disso e traz tantos conflitos que talvez seja preciso desenhar uma pequena árvore genealógica no início da leitura.

Misturando dramas familiares, alcoolismo, disputas eleitorais, rituais bizarros e o estranho costume de enfiar uma faca no peito de pessoas já mortas, o livro é um gótico que se passa à luz do dia, fugindo da tradição dos castelos assombrados e colocando uma casa assombrada em meio à praia.

Tem umas casas que têm coisa dentro e outras que não tem. Vai dizer que cê não sabe?”

Esse é o 2º livro da Coleção DarkHouse que eu li e, podem apostar, eu senti medo até durante o dia enquanto lia (e tive pesadelos com a casa).

Escuridão

Escuridão, quadrinho de David Small, foi publicado aqui no Brasil em 2021.

Com o título “Escuridão”, já dá pra imaginar que esse quadrinho não é muito feliz, não é? Nele, acompanhamos uma parte da vida de Russell, um adolescente que se muda de Ohio para a ensolarada Califórnia com o pai recém-divorciado (cuja ex-esposa — e mãe de Russell — foge com seu melhor amigo).

Ao longo das 400 páginas — todas em escala de preto/branco— nos surpreendemos com as reviravoltas enfrentadas por Russell e percebemos a mudança que se dá no garoto em relação a amigos, moralidade e costumes. Mas aviso logo: a história é cheia de momentos doloridos e às vezes é preciso dar uma parada para respirar.

“Meu pai decidiu se mudar para a Califórnia. Depois do seu período na Guerra da Coreia, veio o divórcio, e acho que tudo o que ele podia pensar era no sonho de sol, areia e corpos dourados.”

A história de Russell não é muito diferente da história de vários adolescentes. As dores, incertezas, medos, conflitos e abandonos pelos quais passamos podem nos levar a diversos caminhos, inclusive à escuridão. 😣

Joyland

Joyland, de Stephen King, foi publicado aqui no Brasil em 2015.

Stephen King é um dos meus autores favoritos há muitos anos (são incontáveis as horas que passei lendo seus contos e histórias) e Joyland é um dos meus livros favoritos de toda a vida, por isso decidi reler agora.

Com pouco mais de 230 páginas (que pra Stephen King é POUCO, POUQUÍSSIMO), o autor nos leva diretamente para o verão de 1973 e acompanhamos o jovem Dev, que começa um emprego temporário em um parque de diversões com um trem fantasma que, bem, possui um fantasma de verdade. E é na pensão em que ele está hospedado que fica conhecendo parte da história:

“Venha até a cozinha, então. Vou fazer um queijo quente e esquentar uma tigela de sopa de tomate. Ainda tem tempo. E vou contar a história triste do fantasma de Joyland, enquanto come, se quiser ouvir.”

Apesar do plot ser “o fantasma real que assombra o trem fantasma”, no livro vemos muito da sensibilidade de King ao retratar a juventude, os dramas vividos, o primeiro coração partido, a separação dos amigos e outros temas dessa época da nossa vida.

➡️ O livro cita várias músicas, organizei uma playlist com elas aqui. 🎵

Bruxas Literárias

Bruxas Literárias, de Taisia Kitaiskaia e Katy Horan, foi publicado aqui no Brasil em 2021.

Toda mulher é bruxa, pode ser só um pouquinho ou muito bruxa, mas toda mulher é bruxa. As mulheres escritoras são mais bruxas ainda porque fazem um tipo de magia que dura e atravessa gerações: elas escrevem sonhos, histórias, poesias e muito mais. Esse livro é uma homenagem a diversas dessas bruxas.

Reunindo 33 bruxas (sendo 3 brasileiras), a obra traz uma coletânea de perfis “bruxísticos” dessas autoras, com recomendações de leituras, destaques de suas obras mais importantes e uma mini-bio de cada uma. Na introdução ao livro (escrita por Pam Grossman), tem um trecho que vai um pouquinho mais fundo na história da bruxa:

“…Ela é o único arquétipo feminino que tem poder por si mesma. Ela não é definida por mais ninguém. Esposa, irmã, mãe, virgem, prostituta — esses arquétipos encontram sentido com base em relações com outros. A bruxa, contudo, é uma mulher que está inteiramente por conta própria.

Terminei o livro com uma lista de obras para ler e quero conhecer o trabalho de cada uma dessas mulheres-bruxas-literárias. 🧙🏼‍♀️

Fevereiro rendeu. Vamos ver como será Março!

❤️

Mais informações

Que tal dar uma lida nos outros conteúdos que eu já produzi?! Tenho trabalhado neles há um tempo e espero que inspirem outras pessoas. 😊
Tem bastante coisa aqui no blog e, aos pouquinhos, tenho alimentado o Pinterest com os conteúdos daqui e uns extras.

Além do blog e do Pinterest, eu mantenho três newsletters: a PudimLetter, para conteúdos relacionados ao PudimCast, a SlowLetter, uma newsletter para desacelerar, e a Cartas da Cintia, uma newsletter bem pessoal onde abro o meu coração e dou dicas pontuais. Conheça e assine as newsletters.

Um comentário em “Livros de Fevereiro/22.

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: