Smells Like Adolescência

Eu sempre gostei de música, sempre, sempre, sempre. Minha banda favorita, desde que nasci, é Pink Floyd (e eu sei que isso pode até soar clichê, mas fazer o quê?), mas ouço muita coisa diferente, algumas até dão vergonha de admitir. Em diversos momentos foi só a música que me fez seguir em frente e também me fez sentir coisas únicas, me emprestou sentimentos que eu não tinha na minha vida e também me ajudou a expressar coisas que eu não conseguia com as minhas próprias palavras.

Lá no início dos anos 2000, quando eu tinha 13/14 anos, tinha a minha pequena turma de amigos adolescentes “da rua de casa” e passávamos um tempo juntos (mas não éramos de dar rolês por aí, só ficávamos por ali à toa). Alguns dos meninos tocavam instrumentos então muitas vezes o assunto, claro, era música. Na época, a coisa mais pesada que eu conhecia era Iron Maiden e a coisa mais próxima de “música romântica” era Scorpions, então Wonderwall caiu como uma bomba na minha vida.

A música era romântica? O que era uma Wonderwall? Quem eram esses Oasis? Será que se eu comprasse um violão poderia aprender a tocar essa música? (Spoiler: Não.) Por que ele dizia que “não acreditava que alguém sentia por você o que eu sinto”?

Era o começo da minha adolescência e eu tinha algumas questões mais importantes para serem resolvidas naquela época. Não importava qual era o real significado de “Wonderwall”, para mim era uma música bonita que eu ouvia no meu quarto depois de voltar da escola (e, de certa forma, ajudou a embalar meu 1º namoro — sim, foi com um dos carinhas da turminha adolescente).

Mas hoje, enquanto eu ouvia uma versão lofi de Wonderwall, fui invadida por uma nostalgia (que me fez levantar da cama e vir escrever esse texto) e um sentimento de urgência em descobrir o que diabos significa “Wonderwall”. Segundo o Uol:

A palavra é uma referência a um dos lançamentos solo de George Harrison, a trilha sonora de um filme chamado Wonderwall (1968). O longa é sobre um voyeur que olha para uma mulher através de buracos na parede – o tal do “muro das maravilhas” do título. Oasis usou a palavra “wonderwall” como uma referência ao álbum de George, mas eles não a usaram para significar nada em particular. De acordo com a Rolling Stone EUA, Liam Gallagher disse: “Um ‘wonderwall’ pode ser qualquer coisa. É apenas uma palavra bonita.”

É isso mesmo? Sério? Insatisfeita com a resposta, continuei pesquisando e achei uma análise mais aprofundada no Letras, mas vou destacar só um trecho:

Uma das definições mais aceitas é a de que se trata de alguém em quem você pensa com muito afeto, que você admira e com quem se sente protegido.

Mais satisfeita com essa última explicação, decidi “encerrar meu caso” sobre o que significa essa palavrinha curiosa. Ainda embalada por esse sentimento nostálgico, criei uma playlist com algumas das músicas que embalaram esse período da minha vida e compartilho aqui. Ah, montei a playlist do jeitinho que eu gravaria um CD com elas: na ordem que parece “lógica” e com menos de 1h20 de duração. Espero que vocês gostem:

https://deezer.page.link/gv33WxMAopKPgCki7

💖

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: